deivison-Site-Logo

O papel da Educação no Universo Tecnológico

Já parou para pensar no papel da Educação no Universo Tecnológico que estamos vivendo? Nessa evolução das tecnologias num modo exponencial, transformando a forma como vivemos e nos comportamos? Além claro, de uma cobrança intensa de sermos protagonistas de nossas vidas, de modo que possamos ser mais criativos e inovadores.

Antes de avaliar se as escolas estão educando nossas crianças para o futuro, precisamos entender como deveria ser esse tipo de educação. O mercado de trabalho do futuro quer profissionais com variadas habilidades sociais, que possuam pensamento crítico e que saibam buscar soluções para problemas complexos. Além disso, é essencial que possuam inteligência emocional.

Ou seja, é preciso desenvolver as chamadas soft skills, ferramentas que permitem lidar com as emoções e a forma de se viver. E elas não estão nas habilidades curriculares atuais.

Então, como deveria ser a educação para formar esse profissional? É aqui que entra a importância das escolas. Estas têm o papel de educar a ação (educação) das crianças, de forma a desenvolverem as competências necessárias trabalhando com as emoções e sentimentos.

As escolas estão educando as crianças para o amanhã?

Existem muitas formas de fazer isso. Por exemplo, através de:

  • Atividades mais lúdicas e experimentais, tais como oficinas, rodas de conversas e situações que incentivem o respeito ao outro e a inclusão do pensamento diverso;
  • Contar histórias;
  • Analisar livros e filmes;
  • Trabalhar as relações intrapessoais (relação do indivíduo consigo mesmo) e interpessoais (relação do indivíduo com a sociedade), de modo a desenvolver a empatia, a criatividade, o respeito, a diversidade e a inclusão;
  • Explicar que não é vergonha expressar sentimentos, amor, empatia, inclusive incentivando essa expressão;
  • Fazer mais experiências e experimentações e menos decoreba, entendendo como e por que as coisas funcionam e acontecem. É o Learning by Doing, que significa aprender fazendo.

Afinal, quem fará trabalho repetitivo sem exigir muito pensamento são os robôs, a inteligência artificial, e não nós, seres humanos. Mais que isso, é preciso que nossas crianças, ao saírem da escola, tenham a capacidade de aprenderem e de desaprenderem. É preciso que tenham autoestima e autoconhecimento, estando abertas ao novo e ao aprendizado constante. Devem experimentar, aprender com os erros e fazer novas tentativas.

Isso não se assemelha com o que já está sendo exigido em muitas empresas, as consideradas de vanguarda? No futuro será muito mais, e os desafios serão muito maiores.

Como fica a aprendizagem fora da escola

Eu acredito que o modelo de educação tradicional, como é feito atualmente na maioria das escolas brasileiras, não é o mais indicado para os nossos filhos. Se os jovens de hoje já não aprendem como os jovens do passado, imagine como os jovens do futuro deverão aprender! Temos uma lacuna gigantesca a ser preenchida.

Inclusive fiz uma enquete no LinkedIn para saber a opinião de vocês sobre este assunto. A pergunta que fiz foi:

As escolas estão preparando adequadamente seus alunos (crianças) para os desafios do futuro do trabalho com inovação e empreendedorismo?

E pude assim comprovar que estava certo, porque 97% das pessoas que responderam também pensam que a escola não está voltada para educar as crianças para o futuro. Para além de todas as habilidades necessárias que citei aqui, não poderia deixar de fora a tecnologia. Ela será tão importante quanto tomar café da manhã todo dia. O que quero dizer é que nossos filhos vão aprender por meio do uso da tecnologia, da internet, do mundo virtual, quer queiramos ou não.

Por isso, as escolas terão que aprender a falar a língua desses jovens, que já nascem imersos em tecnologia. Não é à toa que são chamados de “nativos digitais”. Elas vão ter que adaptar seus sistemas de ensino-aprendizagem para estarem presentes também e, principalmente, no mundo virtual.

E é neste sentido que mais uma vez arrisco a dizer que são poucas as escolas que sabem fazer bem isso hoje. Até porque falta o essencial para a maioria delas: a infraestrutura básica, que significa acesso à internet e computadores, por exemplo.

Também não serei hipócrita e dizer que tudo está uma porcaria, porque isso seria mentira. Escolas de alto nível, caríssimas e restritas ao público da classe média alta para cima, educam sim para o futuro. Estas escolas, no mínimo bilíngues, contém um plano curricular que engloba muitas das disciplinas essenciais para entender a inovação e o empreendedorismo. Ali funciona um outro sistema de ensino que nem parece que é para brasileiros.

Nossas crianças sendo preparadas para o Futuro

Tirando esses casos, são raros os projetos que vêm preparando nossas crianças para o amanhã. Existem e são exceções. Neste sentido, gostaria de citar ainda que, em nosso país, o Ministério da Educação aprovou a reforma do ensino médio, e mudanças já começaram a acontecer desde 2020. Uma das mais importantes foi a flexibilização do currículo.

Ou seja, a partir do 1º ano do ensino médio, os adolescentes já poderão escolher em quais áreas de conhecimento querem se aprofundar, por meio dos itinerários formativos. Estes são roteiros de atividades e conteúdos pré-definidos pela escola, que dá maior autonomia aos estudantes. Eles permitem que os alunos se aprofundem em determinada área de conhecimento ou tenham uma formação técnica e profissional.

O interessante é que cada itinerário deve ser construído considerando eixos estruturantes. Estes eixos são:

  • Investigação científica;
  • Processos criativos;
  • Mediação e intervenção sociocultural; e
  • Empreendedorismo.

Claro que ainda está longe do ideal, este trabalho está começando a ser feito com adolescentes, mas acredito que é um primeiro passo para que as escolas comecem a preparar nossas crianças para o futuro. 

Portanto, nós pais temos uma grande parcela de responsabilidade na educação de nossos filhos. No entanto, as escolas também precisam cumprir o seu papel, evoluindo conforme o mundo muda. Mais do que apenas trabalhar as matérias que são obrigatórias no currículo, agora é preciso formar cidadãos.

Não só aqueles que o mercado de trabalho quer, mas sim aqueles que o mundo precisa.

E você, concorda comigo?

Deivison Pedroza – Investidor / Conselheiro / CEO / Palestrante

Está gostando do conteúdo? Compartilhe!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp